segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Melhores vinhos chilenos de 2014 no 12º Annual Wines of Chile Awards

Em uma cerimônia de gala realizada em São Paulo no dia 2 de dezembro foram revelados os melhores vinhos do Chile no 12º Annual Wines of Chile Awards (AWoCA), considerada uma edição histórica, já que aconteceu pela primeira vez fora do Chile. O Brasil foi o escolhido para sediar o principal concurso de vinhos do Chile e a escolha dos15 vinhos melhores rótulos chilenos ficou a cargo de corpo de juízes exclusivamente composto por sommeliers e especialistas brasileiros.

A honra máxima do AWoCA foi para a Viña Casas del Bosque, com o vinho Syrah Gran Reserva 2012, premiado na categoria Best in the Show, que elege o melhor vinho do concurso.

O mesmo vinho também levou o prêmio na categoria Syrah. Nas categorias Premium White e Premium Red os ganhadores foram, respectivamente, os vinhos Amelia 2013 (Concha y Toro) e Armida 2009 (De Martino).
Os brancos premiados no concurso foram os rótulos Specialties Sauvignon Blanc Ocean Side 2014 (Viña Santa Carolina/categoria Sauvignon Blanc), Tarapacá Gran Reserva Chardonnay 2013 (Viña Tarapacá/categoria Chardonnay) e Single Vineyard Neblina Riesling 2011 (Leyda/categoria Other Whites).

Nas categorias destinadas aos vinhos tintos a Viña Falernia foi premiada em duas delas: na de melhor Pinot Noir, com o Pinot Noir Reserva 2013, e na de melhor Carmenere, com o Carmenere Reserva 2013 Pedriscal Vineyard. A categoria Cabernet Sauvignon foi conquistada pela Viña Casa Silva com o rótulo Gran Terroir de los Andes – Los Lingues 2012 e a Other Reds foi para o vinho Tama Vineyard Selection Carignan 2013 (Viña Anakena).

O melhor Rosé do concurso foi o Gallardía del Itata Cinsault 2014, da Viña De Martino, o melhor Late Harvest foi para a vinícolaErasmo, com o Torontel Late Harvest 2009, e na categoria Blends o escolhido foi o vinho 5 Cepas 2013, da Casa Silva. O Espumantevencedor foi o Brut Nature, da Viña Morandé.

Os números do 12º AWoCA

Este ano foram inscritos 639 vinhos de 92 vinícolas, um recorde de inscrições de amostras. Desembarcaram em São Paulo 2.652 garrafas, o que representa quase 2 mil litros de vinho. “O processo para entrada de vinhos no Brasil envolve uma série de etapas alfandegárias e o empenho das vinícolas em participar demonstra a importância do mercado brasileiro para a indústria de vinhos do Chile”, resume Claudio Cilveti, managing director da Wines of Chile.

Também impactante foi o número de medalhas conquistas pelos vinhos na 12ª edição do evento: 88 vinhos conquistaram ouro; 272ficaram com medalhas de prata; e 203 levaram bronze, o que significa que 88% dos participantes conquistaram alguma distinção.
Aguardado pelas vinícolas e pelos produtores, o resultado do AWoCA tem grande influência no mercado, já que funciona como um “guia” para o trade – cadeia que envolve importadores, bares, restaurantes, lojas de vinhos, empórios, supermercados e hotéis – e para os consumidores, pois indica o que de melhor tem sido produzido no Chile.

De acordo com Claudio Cilveti, managing director da WOC, foi uma decisão estratégica para a Wines of Chile realizar no Brasil oprimeiro AWoCA fora do Chile. “O mercado brasileiro é um dos mais importantes para nossa indústria e a cada ano temos aumentado o investimento em ações aqui. Representamos quase metade do mercado de vinhos importados no Brasil, que ocupa a 5ª posição no ranking de nossas exportações.” O Chile lidera o mercado com 39,8% e é o primeiro no ranking desde 2002.

Para Oscar Paez, do ProChile Brasil, a escolha é um marco também para nosso país: “a escolha do Brasil para a primeira edição do AWoCA ‘internacional’ reforça o posicionamento do Chile em priorizar cada vez mais o mercado brasileiro. Nossas relações comerciais vêm se consolidando ano a ano e nossa meta é seguir aumentando a presença no setor de vinhos importados no Brasil”.

“Nossa diversidade de vinhos fica mais evidente a cada ano. O território chileno é riquíssimo, indo do mar até o gelo e passando pelo deserto. Essa variedade terroirs resulta em vinhos com expressão tão marcante como os que são apresentados no AWoCA, que representa um verdadeiro painel da evolução e da alta qualidade dos nossos vinhos”, celebra Claudio.

Os jurados brasileiros que escolheram os melhores vinhos do Chile em 2014 foram: Carlos Cabral (grupo Pão de Açúcar), Mário Telles(ABS-SP), José Luiz Pagliari (SBAV-SP), Diego Arrebola (eleito melhor sommelier do Brasil e Wine Director do Grupo Pobre Juan),Manoel Beato (grupo Fasano), Gabriela Monteleone (sommelière), Daniela Bravin (Bravin), Tiago Locatelli (grupo Varanda),Gabriela Bigarelli (Maní), Jorge Lucki (Valor Econômico), Marcelo Copello (Revista Baco) e Didú Russo (Blog do Didú).

“A escolha dos jurados considerou principalmente a representatividade de cada um em diversos segmentos do mercado. Por isso, além de sommeliers premiados e responsáveis pelas cartas de vinho de restaurantes renomados, participam formadores de opinião das duas principais associações do Brasil, representantes da mídia especializada impressa e digital, além de um grande nome do varejo brasileiro”, completa Cilveti.
Os vencedores do 12º AWoCA são:

Best in the Show
Syrah Gran Reserva 2012/Viña Casas del Bosque

Premium Red
Armida 2009/De Martino

Premium White
Amelia 2013/Concha y Toro

Other Reds
Tama Vineyard Selection Carignan 2013/Viña Anakena

Other Withes
Single Vineyard Neblina Riesling 2011/Leyda

Blends
5 Cepas 2013/Casa Silva

Rosé
Gallardía del Itata Cinsault 2014/De Martino

Sparkling Wine
Brut Nature/Viña Morandé

Late Harvest
Erasmo Late Harvest Torontel 2009/Erasmo

Cabernet Sauvignon
Gran Terroir de los Andes - Los Lingues Cabernet Sauvignon 2012/Casa Silva

Carmenere
Carmenere Reserva 2013 Pedriscal Vineyard/Falernia

Pinot Noir
Pinot Noir Reserva 2013/Falernia

Syrah
Syrah Gran Reserva 2012/Viña Casas del Bosque

Chardonnay
Tarapacá Gran Reserva Chardonnay/Viña Tarapacá

Sauvignon Blanc
Specialties Sauvignon Blanc Ocean Side 2014/Santa Carolina


Fonte: CH2A Comunicação

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

al Tralcio Antico Chianti 2012

Vinícola: Carrefour
País: Itália
Região: Toscana
Tipo: Tinto
Uvas: Sangiovese


Todo inicio de mês postamos o nosso vinho escolhido para a Confraria Brasileira de Enoblogs (#CBE). O tema de novembro foi escolhido pelo confrade Jorge Alonso, do blog Contando Vinhos. Ele escolheu como tema:"Um Chianti, valendo Clássico, Riserva e qualquer sub região e sem limite de preço".

Felizmente, para contemplar este tema, eu guardava em minha adega o
 al Tralcio Antico Chianti 2012, um presente de um amigo que recentemente voltou da Itália e me trouxe essa lembrancinha. Me parece uma linha de vinhos pertencente a rede de supermercados Carrefour.


Vamos ao vinho: Apresenta uma coloração rubi intenso. No olfato apresenta aromas de frutas frescas, algo floral e lembranças da madeira. Na boca tem um volume mediano, taninos suaves, fresco e bom retrogosto. Final de média persistência.

Um bom vinho, correto e fácil de beber. Acompanhou bem uma porção de bruschettas.

 Visual
 Rubi intenso
 Olfato
 Frutas frescas, floral e madeira
 Gustativo
 Volume mediano, taninos suaves e fresco. Fácil de beber
 Harmonização
 Bruchettas

Jay-Z compra produtor de seu champanhe preferido

O rapper Jay-Z resolveu comprar a famosa Armand de Brignac, produtora de excelente Champagne. No entanto a compra vai além de sua admiração pelo produto. A negociação soa como uma resposta ao preconceito sofrido pela marca Cristal, ex-favorita.

O rapper costumava ser consumidor dos Champagne Cristal e promovia a marca em seus clipes e festas, porém, em 2006, representantes da Louis Roederer, produtora da Cristal, deram a entender que não podiam escolher seus clientes quanto perguntados sobre a profusão da bebida entre os famosos do hip-hop. Na época, a revista britânica “The Economist” publicou comentários depreciativos do chefe da empresa que faz o champanhe, Frederic Rouzaud.

— O que podemos fazer? Nós não podemos proibir as pessoas de comprá-lo — disse Rouzaud a “The Economist”.

Jay-Z definiu o comentário como racista e, em seu livro “Decoded”, respondeu que usava a bebida como um artigo de luxo e que era uma publicidade gratuita para a credibilidade da marca. A produtora francesa comprada pelo bilionário, que vende garrafas douradas por cerca de U$300 cada e tem como símbolo o az de espadas, passou a ser a favorita do marido da cantora Beyoncé Knowles. A empresa nova-iorquina, Sovereign Brands, proprietária da marca comprada pelo cantor e produtor, confirmou a venda esta semana. O preço do negócio não foi revelado.

Infelizmente ainda notamos o racismo no dia a dia e ele se expressa em diversas formas. Aqui no caso, pela depreciação de uma arte negra e seu promotor, famoso rapper. Se um bilionário sofre com o racismo explicito, imagina o que acontece com os mais humildes, longe dos holofotes.  


terça-feira, 25 de novembro de 2014

Tamanhos das garrafas de vinho.


Quando você chega a uma loja de vinho, quase sempre se depara com uma garrafa de vinho padrão, com 750ml. No entanto, ultimamente percebe-se um crescimento da oferta de outras opções, principalmente as menores, que pela praticidade tem feito sucesso, principalmente em restaurantes e bares. Mas também existem outros tipo de garrafas maiores, ideais para festas ou grupo de enófilos.  

Veja quais os tipos de garrafas:
  • Piccolo (1/4 ou Split): 187 ml 
  • Meia-garrafa (1/2): 375 ml
  • Garrafa padrão: 750ml
  • Magnum: 1,5 litros = 2 garrafas
  • Jeroboam: 3 litros = 4 garrafas
  • Matusalem: 6 litros = 8 garrafas
  • Salmanazar: 9 litros = 12 garrafas
  • Balthazar: 12 litros = 16 garrafas
  • Nabucodonosor: 15 litros = 20 garrafas

O tamanho da garrafa vai de acordo com a necessidade. Contudo, sabemos que o vinho evolui dentro da garrafa e o tamanho da botelha de vinho pode determinar sua evolução.
O oxigênio é um dos responsáveis pela transformação e evolução do vinho durante o tempo. Garrafas menores, armazenam menor quantidade de vinho e a sua proporção de oxigênio por vinho é muito grande, resultando em uma evolução rápida. Já em garrafas de vinho maiores a quantidade de vinho em relação ao oxigênio aumenta, ocasionando uma oxigenação mais lenta, aumentando a curva evolutiva do vinho. Logo vinhos especiais(de guarda), que evoluem com o tempo apresentam uma durabilidade maior ou evolução mais lenta em garrafas maiores.

Saúde!

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Gerard Depardieu diz que pode beber 14 garrafas de vinho em um dia

O ator francês Gérard Depardieu, conhecido por uma carreira de prêmios e excessos, afirmou que costuma beber quando se sente entediado e que pode chegar a consumir até 14 garrafas de bebida alcoólica em um só dia.

"Começo em casa, com champanhe ou vinho tinto antes das 10h. Depois, mais champanhe, depois pastis [anis francês], talvez meia garrafa. Depois a comida, acompanhada de duas garrafas de vinho. Pela tarde, champanhe, cerveja e outra vez pastis para terminar a garrafa por volta das 17h. Mais tarde, vodca ou uísque", comentou o ator, de 65 anos, em entrevista que publicada pela revista "So Film".

Exilado fiscal mais famoso da França e protagonista de famosas polêmicas em aeroportos ou acidentes de trânsito com mais álcool no sangue que o permitido para dirigir, o ator reconheceu que, uma vez que começa a beber, não consegue controlar.

"Quando me entedio, bebo. Se começo a beber, não bebo como uma pessoa normal. Posso entornar 12, 13, 14 garrafas por dia", disse o ator, que garantiu que nunca termina "completamente bêbado, só um pouco alegre" e que tem um remédio próprio para não terminar bêbado: "Só é preciso tirar um cochilo de dez minutos e já está pronto".

Gérard Depardieu, que no cinema já interpretou Obelix, Cyrano de Bergerac e um personagem inspirado no polêmico Dominique Strauss-Kahn, admitiu que seus excessos geram risco para a saúde e revelou que já se submeteu a uma operação para colocar um marca-passo por culpa do colesterol "e de outras coisas".

"Tenho que ser prudente. De qualquer forma, não vou morrer atualmente. Ainda tenho energia", presume o ator, que também é proprietário de várias adegas e restaurantes.

Em julho, Depardieu anunciou sua intenção de produzir "vodca biológica" a partir de "água de mananciais das montanhas e produtos que respeitam o meio ambiente".

Fonte: Agencia EFE/ Site G1

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Uísque japonês é eleito o melhor do mundo

O uísque japonês “Yamazaki Single Malt Sherry Cask 2013” foi eleito pela primeira vez o melhor do mundo por um dos mais respeitados guias sobre o setor. Publicado na segunda-feira (3), o guia de Jim Murray, que é conhecido como a “A Bíblia do Uísque”, descreveu o o quísque japonês como “espesso, seco, tão redondo quanto uma bola de bilhar”. Murray deu à bebida 97,5 pontos de 100.

Três uísques americanos da variedade bourbon – William Larue Weller, Sazerac Rye 18 Year Old e Four Roses – ocuparam o segundo, o terceiro e o quarto lugares. Curiosamente, nenhum uísque escocês apareceu entre os cinco primeiros da lista.

No Japão, se faz uísque desde os anos 1920, quando um japonês que estudou Química em Glasgow, Masataka Taketsuru, voltou ao seu país casado com uma escocesa e contribuiu para o nascimento da destilaria Yamazaki, perto de Kyoto.

No editorial do livro “Whisky Bible”, que é publicado anualmente, Murray diz que é hora de as destilarias escocesas acordarem.

“Chegou a hora de uma pequena dose de humildade, de voltar aos fundamentos, de perceber que algo se perdeu”, recomendou.

O livro “Jim Murray’s Whisky Bible” será lançado na Inglaterra na próxima semana e pode ser adquirido pelo site WHISKYBIBLE.COM.

Fonte: Revista online Exame, da editora Abril.

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Casa Venturini Chardonnay Reserva 2008 #CBE

Vinícola: Casa Venturini
País: Brasil
Região: Flores da Cunha - RS
Tipo: Branco
Uvas: Chardonnay

Álcool: 13,2%

Início de mês e vamos postar nosso vinho escolhido para a Confraria Brasileira de Enoblogs (#CBE). O tema de Outubro foi escolhido pela amiga Ju Gonçalves, do blog Vou de Vinho. Ela escolheu como tema um vinho branco nacional.

Como já estava esperando uma "desculpa" para degustar um presente que trouxe do Sul, essa foi a ocasião para abrir o Casa Venturini Chardonnay Reserva 2008. Esse ano já escrevemos aqui sobre a safra 2011.

A Casa Venturini se orgulha muito de seu Chardonnay. Na Avaliação Nacional de vinhos de 2014 ele foi premiado pelo sexto ano seguido.

Vamos ao vinho Casa Venturini Chardonnay Reserva 2008: na taça é bem forte, com um intenso amarelo ouro. No olfato apresenta aromas de abacaxi, damasco, mel e chocolate branco. Na boca é delicioso, com ótimo amanteigado, sedoso e muito agradável. Acidez se faz presente, no entanto perdendo um pouco de sua força, bem destacada na safra 2011. Final de boca persistente, com retrogosto muito agradável, destaque ao abacaxi.

Comparando o Casa Venturini Chardonnay Reserva 2008 com a safra 2011 noto que a perda da acidez é compensada com um vinho mais sedoso, com aromas delicados, um vinho mais elegante, gostei bastante. 2008 foi uma safra bem premiada internacionalmente e resistiu bem.


Esse é um vinho que sempre faço questão de ter na adega. Parabéns ao José Venturini pelo excelente resultado. Harmonizei com um Abadejo ao molho de camarão e casou muito bem.



 Visual
 Límpido e um cor intensa amarelo ouro.
 Olfato
 Abacaxi, damasco, mel e chocolate branco.
 Gustativo
 Bom amanteigado, sedoso e elegante. Boa persistência, retrogosto abacaxi.
 Harmonização
 Filé de Abadejo com molho de camarão.

Por Jonas Magalhães


Cinema & Vinho: Obsessão Vermelha (Red Obsession)


Titulo: Obsessão Vermelha (Red Obsession)
Dirigido: David Roach e Warwick Ross
Narração: Russell Crowe
Nacionalidade: China, Reino Unido e Austrália.
Gênero: Documentário
Ano: 2012

Para quem adora vinho e cinema. A HBO esta apresentando em sua programação o documentário Red Obsession( Obsessão Vermelha).

Muito bem feito e com excelentes imagens, ele demonstra o lado nada romântico do mundo do vinho. De como a especulação, a luxuria e a economia vem mudando os preços e as relações dos grandes vinhos Bordeaux com o mundo.

Embora discorde e até me incomode com as análises históricas e politica sobre a China, indico assistir. A seguir um quadro com horários de exibição no canal HBO, aproveitem.

  
Sinopse(AdoroCinema)


A China apresenta um novo mercado em expansão: o consumo de vinhos, principalmente os de Bordeaux. Durante séculos, a bebida assumiu um status mítico como condutor de riqueza, poder e influência, mas a sua prosperidade sempre foi ligada aos mercados e às mudanças econômicas das economias globais. Com depoimentos de produtores, críticos, jornalistas e especialistas em vinho, o documentário mostra como os chineses estão dispostos a pagar caro pelas melhores safras desse vinho.

 Trailer


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Navarro Correas Coleccion Privada Bonarda 2008

Vinícola: Navarro Correas
País: Argentina
Região: Mendoza
Tipo: Tinto
Uvas:
Bonarda (100%)
Álcool: 13,5%
Preço: R$32,00


A bodega Navarro Correas localizada no Valle de Uco e em Lujan de Cuyo, tem seus vinhedos em altitudes entre 900 e 1200 metros acima do nível do mar.

Hoje abordamos um de seus vinhos, da linha Coleccion Privada, linha intermediaria da bodega. A uva Bonarda, como já escrevemos no site, é uma uva que teve grande importância na Argentina, perdeu espaço para Malbec e hoje volta a ganhar protagonismo.

Vamos o Navarro Correas Coleccion Privada Bonarda 2010. Na taça apresenta uma cor rubi com tonalidade purpura, característica da casta. No olfato destacam aromas de frutas maduras(ameixa e cereja) e um intenso tostado. Na boca é macio, com taninos leves e acidez na medida. Com média persistência no final de boca.

Um vinho simples, que representa bem as características da casta. Com passagem por carvalho
(12 meses - 40% em barricas de carvalho francês), ainda apresenta bom potencial aos 06 anos de vida.


 Visual
Rubi com tonalidade púrpura
 Olfato
Frutas maduras(ameixa e cereja) e um intenso tostado
 Gustativo
Macio, com taninos leves e acidez na medida. Com média persistência no final de boca.
 Harmonização
Harmonizado com carne grelhada

Por Jonas Magalhães

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Preço do VINHO vai aumentar no Rio de Janeiro

O governador Pezão(PMDB) já tinha anunciado em Setembro a entrada do Rio de Janeiro no regime da Substituição Tributária do ICMS. No entanto só agora começa a repercutir o Decreto nº 44.950/2014. Nós, amantes do vinho e consumidores, teremos um final do ano mais custoso. Pois o decreto inclui as operações com bebidas quentes (entre elas vinhos e espumantes). O decreto passa a valer a partir de primeiro de novembro(01/11/2014), amanhã.

Na prática , espera-se um aumento no preço dos produto em torno de 30% a 50% no estado do Rio de Janeiro. Com a chegando das festas de final de ano, essa é uma péssima para o setor e para o consumidor fluminense. 


Veja o decreto:

Decreto Nº 44950 DE 12/09/2014

Publicado no DOE em 15 set 2014

Altera o Livro II do Regulamento do ICMS, aprovado pelo Decreto nº 27.427/2000 (RICMS/2000) e dá outras providências.

O Governador do Estado do Rio de Janeiro, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, tendo em vista o disposto nos Protocolos ICMS 209/2012, de 18 de dezembro de 2012; 150/2013, 151/2013, 152/2013 e 153/2013, de 6 de dezembro de 2013; 29/2014, 30/2014, 31/2014, 32/2014 e 35/2014, de 17 de julho de 2014; no inciso IV da cláusula décima quinta do Convênio ICMS 81/1993 , de 10 de setembro de 1993, e o que consta do Processo nº E-04/058/70/2014,

Decreta:

Art. 1º Ficam acrescentados os seguintes dispositivos no Anexo I do Livro II do Regulamento do ICMS (RICMS/2000) aprovado pelo Decreto nº 27.427/2000 , de 17 de novembro de 2000:
(...)
II - o item 38:
38. BEBIDAS ALCOÓLICAS, EXCETO CERVEJA E CHOPE

Fundamento normativo: Protocolo ICMS 29/2014

Âmbito de aplicação: Operações internas, interestaduais originadas nas unidades federadas signatárias do Protocolo supracitado e aquisições de mercadorias procedentes das demais unidades federadas por contribuintes localizados no Estado do Rio de Janeiro.

A base de cálculo do imposto para fins de substituição tributária nas operações com bebidas alcoólicas, exceto cerveja e chope, é o preço a consumidor final usualmente praticado no mercado do Estado do Rio de Janeiro (PMPF) divulgado por meio de Resolução do Secretário de Estado de Fazenda, nos termos do § 10 do artigo 24 da Lei 2.657/1996 e dos Protocolos firmados no âmbito do CONFAZ, em que o Estado do Rio de Janeiro seja signatário.

Na hipótese de não haver PMPF ou preço sugerido aplicáveis, o sujeito passivo por substituição deverá adotar as seguintes margens de valor agregado:




I - Protocolo ICMS 209/2012 , de 18 de dezembro de 2012;

II - Protocolos ICMS 150/2013, 151/2013, 152/2013 e 153/2013, de 6 de dezembro de 2013;

III - Protocolos ICMS 29/2014, 30/2014, 31/2014, 32/2014 e 35/2014, de 17 de julho de 2014.

Art. 5º Não mais se aplicam ao Estado do Rio de Janeiro as disposições contidas no Protocolo ICMS 32/1992 , de 30 de julho de 1992.

Art. 6º Os contribuintes deverão observar a disciplina de que trata o artigo 36 do Livro II do RICMS/2000 relativamente às mercadorias ingressas no regime de substituição tributária por força deste Decreto.

Art. 7º O parcelamento do imposto relativo ao estoque levantado conforme rege o artigo 6º deste Decreto poderá ser concedido em até 12 (doze) parcelas mensais, iguais e consecutivas, devendo a primeira quota ser paga até o dia 22 de dezembro de 2014 e as demais até os dias 20 dos meses subsequentes.

§ 1º A solicitação do parcelamento de que trata o caput deve ser dirigida à repartição fiscal de circunscrição do contribuinte até o dia 20 de novembro de 2014.

§ 2º A data de vencimento para o pagamento em quota única é a mesma da primeira quota do parcelamento a que alude o caput deste artigo.

Art. 8º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, produzindo efeitos a partir de 01 de novembro de 2014.

Rio de Janeiro, 12 de setembro de 2014

LUIZ FERNANDO DE SOUZA

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Espumante Don Guerino Brut Rosé Malbec Charmat

Vinícola: Don Guerino
País: Brasil
Região: Alto Feliz - Serra Gaúcha
Tipo: Espumante
Uvas: Malbec

Álcool: 11,5%
Preço: R$28,90


Alto Feliz fica ao sul de Farroupilha, aproximadamente 40km de Bento Gonçalves. Nessa pequena cidade se localiza a jovem vinícola Don Guerino. Que produz o Espumante Don Guerino Brut Rosé Malbec Charmat, que analisamos hoje.

Na crescente oferta de bons espumantes nacionais, me chamou atenção um espumante rosé produzido a partir da casta Malbec. Famosa uva tinta que produz ótimo vinho, principalmente na região de Mendoza(Argentina).
Elaborado pelo método Charmat, aonde a segunda fermentação é realizada em tanques. É um Espumante com bom custo beneficio, vendido a R$28,90 pela Bodega Express. 

Vamos ao 
Espumante Don Guerino Brut Rosé Malbec Charmat. Na taça apresenta um coloração avermelhada, ferrugem clara ou salmão. Boa espuma e perlage persistente e fina. No olfato tem leve toque de frutas vermelha e tropicais como morango e melancia. Na boca tem boa cremosidade e acidez na medida, bem refrescante. Sem dúvida nenhuma ótima opção para o verão.

Um espumante simples e honesto. Que agrada o bolso e o paladar.

 Visual
Coloração avermelhada, ferrugem clara ou salmão.
 Olfato
No olfato tem leve toque de frutas vermelha e tropicais como morango e melancia.
 Gustativo
Boa cremosidade e acidez na medida, bem refrescante.
 Harmonização
Pratos leves.
Por Jonas Magalhães

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Casa Silva Reserva Cuvée Carménère 2012

Vinícola: Casa Silva
País: Chile
Região: Valle Colchagua
Tipo: Tinto
U
vas: Carménère(100%)
Álcool: 13,5%


Já escrevemos sobre a uva Carménère aqui no site, suas características e harmonização. A casta tem muito destaque na produção chilena e grandes resultados no Valle do Colchagua, com ótimos vinhos. A Casa Silva é uma viña que merece a confiança em seus vinhos e tem ótimos resultados com a casta.

Vamos ao Casa Silva Reserva Cuvée Carménère 2012. Na taça tem um rubi bem escuro e pequena borda púrpura. No olfato apresenta aromas de frutas vermelhas(ameixa e cereja), um fundo herbáceo e leve toque tostado. Na boca é equilibrado, boa acidez, tanino presente e domado. Final de boca com média duração. Pede um acompanhamento.

Um vinho correto e de grande expressividade, retrata bem as características da casta e do terroir. Vale a pena experimentar.



 Visual
Rubi bem escuro e pequena borda púrpura.
 Olfato
Aromas de frutas vermelhas(ameixa e cereja), fundo herbáceo e leve toque tostado.
 Gustativo
Equilibrado, boa acidez, taninos presente e domado. Final de média duração.
 Harmonização
Carne de caça

Por Jonas Magalhães

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Documentário SOMM ou Sommeliers

Filme: SOMM
Diretor: Jason Wise
Ano: 2012


O documentário tem como centro a vida de quatro sommeliers. As filmagens monstram o dia a dia de cada um, a vida de íntima e o sacrifício de cada Sommelier na busca pelo diplomas de maior valor no mundo do vinho, o Court Master Sommelier . 

SOMM( Sommeliers no Brasil) foi filmado em vários países durante dois anos e seguiu quatro jovens profissionais.

É um documentário muito interessante para amantes do vinho. Pois montra as dificuldades do estudo sobre o vinho e suas complexidades. Ao mesmo tempo notamos a paixão que o assunto tem para quem gosta de trabalhar no ramo.

O canal Globosat tem passou o documentário varias vezes na sua programação. Quando soubermos de datas e horários de novas exibições, comunicaremos em nosso Twitter e página no Facebook.


Veja o trailer oficial


 


segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Bonarda: Características e Harmonização

Para continuar com a nossa série especial sobre as Uvas, hoje trazemos à ainda desconhecida Bonarda.

Quando se fala na Argentina logo vem a lembrança da Malbec. Mas nem sempre foi assim, antes da Malbec dominar a produção Argentina, a Bonarda era a casta mais cultivada no país vizinho. Era utilizada na produção de vinhos de garrafões em grande escala e sem muita qualidade. Por muitos anos foi confundida com a Barbera d`Asti. Ainda hoje é debatido sua origem, as duas teorias mais defendidas estão ligadas ao parentesco com a Dolceto(Itália) e outra teoria ligando ela a Corbeau, uva francesa da região de Jura.

No final do séc.XIV o governo argentino contrata enólogos Franceses e este levam a Malbec para Mendoza, a Bonarda é deixada de lado. Nunca foi esquecida totalmente, no entanto passa a ser usada em vinhos de cortes e ainda na fabricação de vinhos de pior qualidade, já que tem grande produtividade.

Em minha ultima visita a Mendoza, já era nítido o crescimento da Bonarda. Agora figurando em vinhos varietais de qualidade. Destaque a Bodega Nieto Senetiner e seu vinho edição limitada Bonarda.

Principais Regiões

A principal região produtora é a Argentina. Ele é a segunda uva mais plantada, dominando 18% dos vinhedos. A primeira é a Malbec(34%) e a terceira é a Cabernet Sauvignon(17%). Outras regiões com vinhedos da casta Bonarda é a Califórnia , onde é conhecida como Charbono. Além do leste da França, na região de Savoy.

Características

A Bonarda faz um vinhos leves e frescos. Uma contra-posição a forte Malbec. Geralmente apresenta uma cor com intenso violáceo. No olfato destaca-se aromas de frutas vermelhas e pretas; violeta e com o tempo e aliado ao amadurecimento no carvalho se somam aromas mais complexos, como charuto e couro. Na boca tem um bom frescor, boa acidez, fruta presente e taninos suaves.

Harmonização

Indicada em combinação para carnes de sabor mais apurado e picantes. Combina com massas com molho condimentado e cogumelos como shitake e shimeji. Sua ótima acidez ajuda muito na digestão.

Temperatura de Serviço

A temperatura de serviço de um vinho Bonarda que realça todos os seus aromas e sabores está entre 16° e 18°.

Outras Uvas

Para informações de outras uvas basta acessar nosso posts: Zinfandel, Carménère, Tempranillo, Nebbiolo, Torrontés e Sauvignon Blanc.


Saúde!


terça-feira, 7 de outubro de 2014

Joseph Drouhin Bourgogne Chardonnay 2011

Vinícola: Maison Joseph Drouhin
País: França
Região: Bourgogne
Tipo: Branco
Uvas: 100% Chardonnay
Álcool: 13%


Maison Joseph Drouhin é um tradicional produtor da Bourgogne, de 1880. Além dos vinhedos na França, também possui propriedades no Oregon(E.U.A). Hoje tanto a Maison Joseph Drouhin e quanto a Domaine Drouhin Oregon são de propriedade e operados pelos bisnetos de Joseph Drouhin. Tem vasta historia, desde o pioneirismo em produzir vinhos biodinâmicos a interessante historia de resistência aos Alemães na segunda guerra mundial.


Vamos ao vinho: Na taça apresenta um amarelo palha tons dourados. No olfato tem boa complexidade com aromas cítricos como o abacaxi e a casca de laranja, além de toques de mel e baunilha. Na boca é sedoso, com bom amanteigado e refrescância. Toque mineral e acidez correta, final de boca com frutas brancas e boa duração.


 Visual
Amarelo palha tons dourados
 Olfato
Aromas cítricos como abacaxi e casca de laranja, além de toques de mel e baunilha.
 Gustativo
Sedoso, com bom amanteigado e refrescância. Toque mineral e acidez correta, final de boca com frutas brancas e boa duração.
 Harmonização
Carne brancas e Peixes

Por Jonas Magalhães



sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Don Giovanni Cabernet Franc 2008 #CBE

Vinícola: Don Giovanni 
País: Brasil
Região: Pinto Bandeira(RS)
Tipo: Tinto
Uvas: 100% Cabernet Franc

Álcool: 13,5%


Já escrevi aqui no blog sobre a visita na Don Giovanni, um lugar encantador, ao lado do caminho de pedra, tradicional ponto turístico de Bento Gonçalves. Vale a pena conhecer(Veja).

Hoje escrevo para a Confraria Brasileira de Enoblogs (#CBE). O tema de Agosto/2014 foi escolhido pelo Felipe Silva do Blog BebadoVinho. A escolha foi um vinho 100% Cabernet Franc. Uva que analisamos e escrevemos sobre suas características no especial Uvas(Veja Aqui!).

Meu vinho escolhido foi o Don Giovanni Cabernet Franc 2008, degustado e adquirido na última visita a vinícola, escolhi este vinho por que é um dos poucos Cabernet Franc com bom resultado no Brasil. Também já degustamos o Aurora Pequenas Partilhas Cabernet Franc 2011, que vale a pena conhecer.

Em conversa com vários produtores da Serra Gaúcha, muitos demonstram a intenção de voltar a dedicar espaço para a Cabernet Franc em seus respectivos vinhedos. Logo podemos ter mais opções nacionais desta casta para degustar.

Vamos ao vinho: Na taça apresenta uma coloração rubi escura com borda violácea e leve opacidade, lagrimas abundantes e lentas. No olfato se destacam aromas de amadurecimento no carvalho, frutas vermelhas maduras, algo mentolado e o tabaco. Na boca é equilibrado, macio, tem um corpo de leve a médio, taninos presentes e bem integrados. Um final de boca com boa persistência e além de confirmar os aromas do olfato(notas vegetais).

É um bom Cabernet Franc. Vale a pena conhecer. Também indico visitar a vinícola, o restaurante e se tiverem a oportunidade, se hospedem e aproveitem ao máximo a aconchegante pousada da Don Giovanni.



 Visual
Rubi escura com bordas violácea e leve opacidade, lagrimas abundantes e lentas.
 Olfato
Aromas de amadurecimento no carvalho, frutas vermelhas maduras, algo mentolado e tabaco. 
 Gustativo
Equilibrado, macio, tem um corpo de leve a médio, taninos presentes e bem integrados. Um final de boca com boa persistência e confirmando os aromas do olfato.
 Harmonização
Harmonizou com bife de panela.

Por Jonas Magalhães


quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Domaine Du Moulin de Dusenbach Pinot Gris Réserve AOC 2009

Vinícola: Domaine du Moulin de Dusenbach
País: França

Região: Alsácia
Tipo: Branco
Uvas: Pinot Gris

Álcool: 13%
Preço: R$44,00

A Alsácia é um território ao leste da França, na fronteira com Suiça e Alemanha. Inclusive foi uma zona de intensa disputa com a Alemanha, tendo ficado sob controle alemão de 378 a 1648, de 1871 a 1919 e de 1940 a 1944. Até hoje se nota muito da cultura Alemã na região. Até mesmo nos vinhos e suas garrafas.

É uma região que faz vinho interessantíssimos, destaque principalmente para Gewurztraminer, Riesling, Pinot Blanc, Pinot Gris e alguns bons Pinot Noir. Criado em 1970 por Bernard Schwach, enólogo-se de uma família de vinificação para várias gerações, a vinícola cresceu e agora tem 26 hectares no coração da Alsársia. Em de 2008, tornou-se propriedade da família Schwebel e integra a área AOC(Appellation d'origine contrôlée).

Vamos ao vinho: Na taça apresenta uma coloração amarela ouro viscosa. No olfato se destacam aromas doces como mel e damasco, além de um toque fresco de gramas cortada. Na boca é elegante, com ótimo volume e bem sedoso. O retrogosto é persistente, com toque de frutas brancas e um leve açúcar residual.

O preço de lançamento esta ótimo, pela qualidade e origem do vinho. Raramente se encontra vinhos da Alsácia(com esse perfil) por esse preço no Brasil.




 Visual
Amarelo ouro viscoso
 Olfato
Grama cortada, mel e damasco.
 Gustativo
Elegante, como ótimo volume e bem sedoso. Retrogosto persistente de frutas brancas e leve açúcar residual.
 Harmonização
Pratos misturam doce e salgado.

Por Jonas Magalhães

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Drink com vinho: Holiday Glögg

Para animar os últimos dias de inverno. Trazemos um drink com vinho tinto para esquentar suas noites ou mesmo para animar qualquer festa ou reunião de amigos. Uma observação pertinente é não exagerar nos temperos, siga a risca a quantidade descrita.


Ingredientes:

  • 1 garrafas de vinho tinto seco 
  • 1 larajas espetadas com cravos-da-índia 
  • 1 pedaços de canela em pau 
  • 5 sementes de cardomomo 
  • 1/2 xícara de açúcar 
  • 1/2 xícara de uvas passas brancas 
  • 1 dose de conhaque 
  • 1 dose de cachaça

Modo de fazer:

Em uma panela junte todos os ingredientes, menos o conhaque e a cachaça, leve o fogo e não deixe fever. Cozinha durante uns 20 minutos a uma temperatura baixa. Em seguida retire a laranja e despeja em uma poncheira. Em uma outra panela aqueça o conhaque e a cachaça e acrescente na poncheira.

Sáude!

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Setor projeta crescimento de 10% nas vendas de espumantes no fim do ano

Setor projeta crescimento de 10% nas vendas de espumantes no fim do ano. Se a meta for atingida, no último quadrimestre devem ser comercializados mais de 11 milhões de litros da bebida. Suco de Uva 100% tende a crescer 20% e se consolidar como um dos carros-chefes de vendas no período.

A perspectiva do setor vitivinícola é de que o total de vendas de espumantes no último quadrimestre deste ano seja 10% maior do que o registrado no mesmo período de 2013. Se o volume projetado for atingido, devem ser comercializados mais de 11 milhões litros da bebida ícone das festas de final de ano. Nos últimos quatro meses do ano passado, foram vendidos 10,2 milhões de litros do produto, o que significou um crescimento de 7,88% em relação a 2012. Já as vendas do suco de uva 100% devem seguir o ritmo de crescimento dos últimos anos e registrar cerca de 20% de aumento em relação ao mesmo período do último ano, quando foram vendidos 28,8 milhões de litros.

O tradicional crescimento de vendas de espumante neste ano é impulsionado pelas premiações em concursos importantes e por avaliações de críticos de renome internacional. Destaque para a análise do inglês Steven Spurrier, idealizador do lendário Julgamento de Paris, que posicionou os rótulos verde-amarelos como os melhores do Hemisfério Sul durante evento ocorrido no mês de abril em São Paulo.

O vice-presidente do Conselho Deliberativo Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Dirceu Scottá, destaca o aperfeiçoamento na produção da bebida no país. “Ao provar os espumantes brasileiros, das mais diversas vinícolas, é possível perceber o alto nível e padrão na qualidade”, elogia.

O gerente de Promoção do Ibravin, Diego Bertolini, observa que o espumante é uma opção de presente no meio corporativo, já que, principalmente na região Sul, é item fixo nas cestas de fim de ano. “Esse aquecimento nas vendas, principalmente de espumantes e sucos de uva, ajuda a popularizar os produtos e incentivar para que o consumo se estenda para outros períodos do ano”, avalia. Bertolini lembra que em outras regiões é comum a inclusão de vinho nas cestas de final de ano que são distribuídas para os funcionários.

Citado pelo gerente, o suco de uva 100% também tem conquistado o mercado interno e cativado os brasileiros de diversas regiões do país. No ritmo de vendas que dá saltos há cerca de cinco anos, o produto também deve ser um dos destaques de comercialização neste último quadrimestre.

Segundo Scottá, o produto tem alto grau competitivo em função das características particulares da região, onde se concentra 98% da produção de suco, feita a partir de uvas americanas como a Isabel, Bordô e Concord. “Os turistas estrangeiros ficam impressionados com a qualidade e o sabor particular de nossos sucos”, observa.
Sobre o desempenho geral do setor, Scottá afirma que o crescimento deve ficar em torno de 5%. Segundo o enólogo, a venda de vinhos finos, por exemplo, deverá ter performance semelhante à registrada em 2013, quando foram comercializados 6,7 milhões de litros no período de setembro a dezembro.


Fonte: IBRAVIN

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Robert Mondavi Woodbridge Pinot Noir 2012

Vinícola: Robert Mondavi Winery
País:Estados Unidos
Região: Napa Valley( Califórnia)
Tipo: Tinto
Uvas: 79% Pinot Noir, 11% Syrah, 2% Tempranillo, 2% Cinsault, 2% Tannat, 2% Alicante Bouschet e 2% outras.
Álcool: 13,3%
Preço: R$39,00



Quem assistiu ao filme Filme Sideways - Entre Umas e Outras, sabe que a Califórnia(E.U.A) é conhecida como uma terra de bons Pinot Noir. Hoje analisamos aqui o Robert Mondavi Woodbridge Pinot Noir 2012, dessa mesma linha da vinícola já escrevemos sobre o seu Zinfandel.

Vamos ao vinho: Apresenta uma coloração rubi translucido bem brilhante. No olfato se destacam aromas frescos de morango e framboesa, além de toque de especiarias como pimenta do reino. Na boca é leve, delicado e bem persistente, com retrogosto frutado.
Um Pinot Noir bem honesto, vale a pena experimentar.


 Visual
Rubi translucido bem brilhante.
 Olfato
Aromas frescos de morango e framboesa, além de toque de especiarias como pimenta do reino.
 Gustativo
Na boca é leve, delicado e bem persistente, com retrogosto frutado.
 Harmonização
Aperitivo, salmão grelhado, grelhados leves, risoto de cogumelos, pizzas em geral.

Por Jonas Magalhães