Mostrando postagens com marcador Shiraz. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Shiraz. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Primeira Estrada Syrah 2014

Vinícola: Estrada Real
País: Brasil
Região: Três Corações - MG
Tipo: Tinto
Uvas: Shiraz(100%)
Álcool: 14%
Preço: R$79



Essa avaliação é especialmente para Confraria Brasileira de Enoblogs (#CBE). Hoje voltamos a degustar o Primeira Estrada Syrah, ele foi o vinho escolhido para a Confraria de Setembro/2016. O tema foi indicado por Evandro Vanti, do blog Vinhos que Provo. O tema definido foi: "Um Syrah / Shiraz do novo mundo, sem limite de preço. Vale um 100% ou um corte, desde que a maior parcela seja dessa uva".

Quando fiquei sabendo do tema, procurei conciliar a tarefa da confraria com um desejo antigo, ver a evolução deste vinho mineiro. Já tinha experimentado o Primeira Estrada Syrah 2010 em julho de 2013 e agora busquei a safra de 2014 para fazer uma comparação.

Como já tinha dito na análise do Primeira Estrada Syrah 2010, esse é um projeto que apresenta uma especificidade: a colheita é feita na época seca do inverno, nos meses de julho e agosto. O normal no resto do mundo é colher no verão, sendo que o vinho passou por 12 meses em barricas de carvalho e mais um ano envelhecendo na garrafa.

Vamos ao vinho, na taça apresenta uma coloração intensa de rubi com margens roxa escura, tem lágrimas abundantes, finas e lentas. No olfato é mais intenso que a safra antiga, apresenta as mesma frutas vermelhas maduras(cereja, ameixa preta e framboesa), outros aromas são destacados como o caramelo, pimenta e o tostado do carvalho. Na boca é sedoso, redondo e com um retrogosto lembrando café com boa persistência.

É um vinho que vale a pena conhecer, me deixou outra boa impressão sobre ele. Comparando com a safra 2010( que já era um bom vinho), achei que o Primeira Estrada Syrah 2014 tem ainda mais predicados para você buscar conhece-lo. Ele é facilmente encontrado no Rio de Janeiro (supermercado Zona Sul), essa garrafa eu comprei na loja Pacco em Tiradentes-MG, paguei R$79.


Por Jonas Magalhães



domingo, 2 de agosto de 2015

Cavino Syrah IGP Acaia 2011 #CBE

Vinícola: Cavino
País: Grécia
Região: Acaia - Peloponeso
Tipo: Tinto
Uvas: Syrah
Álcool: 13%

Depois de algum tempo sem postar avaliações sobre vinhos aqui, o Blog volta aos trabalhos para analisar um Syrah grego. n'uma postagem especial para a
Confraria Brasileira de Enoblogs (#CBE). 


O tema da Confraria de Julho/2015 foi escolhido pela confrade Fabiana Gonçalves, do blog Escrivinhos, que definiu como tema: “um vinho feito com a uva Syrah/Shiraz, de qualquer nacionalidade e faixa de preço.” 

Escolhi então o Cavino Syrah IGP Acaia 2011, vinho que ganhei na Expovinis 2014, da própria CAVINO. A vinícola usou o espaço para divulgar seus vinhos e obteve um destaque no evento, principalmente pelo excelente Nemea Reserve 2010. O seu Syrah vem da região de Acaia, que fica ao norte de Peloponeso. Famosa península ao sul da Grécia.

Vamos ao vinho. Na taça apresenta uma coloração rubi intensa, brilhoso e com tímidas bordas violáceas. No olfato se destacam aromas de frutas vermelhas frescas, mirtilo e um toque de pimenta do reino. Na boca é bem equilibrado, leve e com um final de boca frutado com boa persistência.

Este Syrah me agradou muito. Uma pena não encontrar no Brasil. Procurei e não achei um lugar que vendesse os vinhos da Cavino por aqui.



 Visual
 Rubi denso com bom brilho.
 Olfato
 Frutas vermelhas frescas, mirtilo e pimenta
 Gustativo
 Equilibrado, leve e bom final de boca.
 Harmonização
 Carne Vermelha condimentada.

Por Jonas Magalhães

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Auguste Bessac Cotes Du Rhone AOP 2012

Vinícola: Auguste Bessac
País: França
Região: Côtes du Rhône
Tipo: Tinto
Uvas: Garnacha, Shiraz, Mourvèdre, Cinsault e Carignan
Álcool: 14,5%



Pesquisadores apontam a região do Vale do Rhonê como a mais antiga na cultura do vinho. Dados indicam que os Romanos que introduziram a vitivinicultura na região por volta do século I antes de Cristo.

A região do vale do Rhône se destaca por produzir vinhos jovens, suaves e redondos, que devem ser bebidos entre 03 e 05 anos.


Auguste Bessac Cotes Du Rhone AOP 2012 é um corte com uvas tradicionais na região. Destaque para as castas Garnacha e a Shiraz. O vinho passa oito meses barricado. Esse exemplar degustado, foi a meia-garrafa(375ml).

Vamos ao vinho. Na taça apresenta uma coloração rubi com tons violáceos. No olfato destaca-se aromas de frutas vermelhas maduras e toques florais. Na boca é sedoso, taninos redondo e bem equilibrado. Com bom volume e média duração no final da boca. Um vinho fácil de beber e bem agradável. Vale a pena conhecer.


 Visual
 Rubi com tons violáceos
 Olfato
 Frutas vermelhas maduras e toques florais
 Gustativo
 Sedoso, taninos redondo e bem equilibrado
 Harmonização
 Harmonizei com caldo de Inhame e carne cozida

Por Jonas Magalhães

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Robert Mondavi Woodbridge Pinot Noir 2012

Vinícola: Robert Mondavi Winery
País:Estados Unidos
Região: Napa Valley( Califórnia)
Tipo: Tinto
Uvas: 79% Pinot Noir, 11% Syrah, 2% Tempranillo, 2% Cinsault, 2% Tannat, 2% Alicante Bouschet e 2% outras.
Álcool: 13,3%
Preço: R$39,00



Quem assistiu ao filme Filme Sideways - Entre Umas e Outras, sabe que a Califórnia(E.U.A) é conhecida como uma terra de bons Pinot Noir. Hoje analisamos aqui o Robert Mondavi Woodbridge Pinot Noir 2012, dessa mesma linha da vinícola já escrevemos sobre o seu Zinfandel.

Vamos ao vinho: Apresenta uma coloração rubi translucido bem brilhante. No olfato se destacam aromas frescos de morango e framboesa, além de toque de especiarias como pimenta do reino. Na boca é leve, delicado e bem persistente, com retrogosto frutado.
Um Pinot Noir bem honesto, vale a pena experimentar.


 Visual
Rubi translucido bem brilhante.
 Olfato
Aromas frescos de morango e framboesa, além de toque de especiarias como pimenta do reino.
 Gustativo
Na boca é leve, delicado e bem persistente, com retrogosto frutado.
 Harmonização
Aperitivo, salmão grelhado, grelhados leves, risoto de cogumelos, pizzas em geral.

Por Jonas Magalhães

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Portal Del Alto Late Harvest Tardío Syrah 2010

Vinícola: Portal del Alto
País: Chile
Região: Valle do Maule
Tipo: Tinto Doce
Uvas: Shyrah

Álcool: 13%

Hoje vamos destacar aqui no site um vinho feito através de uvas com a colheita tardia. São poucos exemplares produzidos no novo mundo. Poucas vinícolas se aventuram nesse tipo de bebida, o requisitado vinho de sobremesa.

O vinho de colheita tardia tinto não era visto até o lançamento do Late Harvest da Portal del Alto(2003). Foi o primeiro doce vinho tinto do gênero feito no Chile. O Professor Alejandro Hernandez, um dos maiores nomes da enologia chilena inovou, colhendo as uvas em maio e fazendo a fermentação normalmente, escolhendo a casta Syrah. 

O vinho, na taça apresenta uma coloração rubi bem forte junto a uma viscosidade nítida. No olfato se destaca aromas de frutas vermelhas em compota e algo como café e tabaco. Na boca tem um bom volume, taninos suaves e a acidez marcante. O açúcar residual se faz presente sem se enjoativo, uma doçura bem integrada. 


Alguns poderão lembrar do vinho do Porto ao degusta-lo. O Portal Del Alto Late Harvest Tardío Syrah 2010 é muito bem feito, se destaca. Acompanhou um Cheesecake de chocolate branco com cobertura de goiaba e foi perfeito.



 Visual
Coloração rubi bem forte com uma viscosidade nítida
 Olfato
Aromas de frutas em compota e algo como café e tabaco
 Gustativo
Bom volume, com a acidez marcante e doçura bem integrada
 Harmonização
Cheesecake de chocolate branco com cobertura de goiaba

Por Jonas Magalhães

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Estación Shiraz 2012

Vinícola: Estampa
País: Chile
Região: Colchagua
Tipo: Tinto
Uvas: Shiraz

Álcool: 14,5%
Preço: R$22,00 (link) 


Um vinho simples, bem feito e agradável. Assim é o Shiraz da vinícola Estampa.

É difícil achar vinhos interessantes nessa faixa de preço. Já escrevi aqui sobre a linha Estación varietal, ela apresenta os melhores custo benefícios no mercado que achei nos últimos meses, principalmente os varietais Carménère e Chardonnay. Já o Cabernet Sauvignon não é do mesmo nível.

A vinícola Estampa fica no valle do Colchagua, é bem pequena e faz vinhos corretos e com bastante personalidade. O Estación Shiraz apresenta na taça uma cor rubi intensa, com bastante brilho e bordas roxas. No olfato tem aromas de frutas vermelhas como a ameixa fresca, além de um toque de especiarias, como a pimenta do reino. Na boca é leve, equilibrado e frutado. Com finalde boca agradável e de média persistência.

Um vinho a R$22,00 que acompanha bem um bom papo e agrada bastante pela honestidade e equilíbrio.

 Visual
Rubi brilhoso com bordas roxas
 Olfato
Aromas de ameixa fresca e especiarias 
 Gustativo
Leve, equilibrado, fruta e média persistência. 
 Harmonização
Lances e refeições do dia a dia


Por Jonas Magalhães

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Masson Dubois Côtes du Rhône 2012

Vinícola: Masson Dubois
País: França
Região: Côtes du Rhône
Tipo: Tinto
Uvas: 
Garnacha, Shiraz, Cinsault e Mourvedre.
Álcool: 12,5%


Um vinho simples e agradável. Masson Dubois Côtes du Rhône 2012 é um ótimo vinho para o dia a dia.

Geralmente não compro vinho franceses baratos. Masson Dubois Côtes du Rhône 2012 facilmente achados por menos que 30 reais, comprei por falta de opção e não me decepcionei. É um vinho que agrada, fácil de se beber.

Na taça apresenta um cor grená translucido. No olfato destaca-se frutas vermelhas como morango. Na boca tem um leve toque frutado, taninos macios e um acidez na medida. 
Pode-se beber sem acompanhar comida ou recomendo prato leves como sanduíches.



 Visual
Grená translucido
 Olfato
Frutas vermelhas
 Gustativo
Frutado, taninos suaves e acidez na medida
 Harmonização
Pratos leves

Por Jonas Magalhães

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Almaúnica Reserva Syrah 2011

Vinícola: Vinícola Almaúnica 
País: Brasil
Região: Vale dos Vinhedos
Tipo: Tinto
Uvas: 100% Syrah
Álcool: 13,5%
Preço:R$55,00


Em nossa serie de visitas ao vale dos vinhedos, conhecemos a vinícola Almaúnica, um dos vinhos que chamou nossa atenção foi este exemplar. Constantemente elogiado pela critica especializada como um dos melhores Shiraz brasileiro.

Vamos ao vinho: Apresenta um coloração intensa, rubi escuro, com lagrimas densas. No nariz é bem intenso, com aromas de frutas vermelhas maduras como a framboesa e amora, forte presença da barrica com toques de chocolate amargo, café e baunilha. Na boca é suculento, com taninos macios e equilibrado, Apresenta toques frutados e uma leve presença da madeira. Final de boca prolongado. 

Um ótimo vinho, com boa complexidade e bom volume na boca. A madeira se destacando um pouco mais do que devia, ao meu gosto. No entanto não esconde por completo o vinho e sua qualidades. Vale a pena experimentar.

O preço é um pouco salgado no mercado(R$85,00). É mais acessível na própria vinícola(R$55,00). Que é um interessante ponto para se conhecer no Vale dos Vinhedos. 

Nota: 89/100
 

 Visual
Rubi intenso, com lagrimas densas
 Olfato
Frutas maduras, especiarias, chocolate amargo e café.
 Gustativo
Tanino macios, estruturado, frutas e madeira. 
 Harmonização
Carne de caça e queijos fortes


Por Jonas Magalhães

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Callia Alta Shiraz/Bonarda 2012

Vinícola: Bodegas Callia
País: Argentina
Região: San Juan
Tipo: Tinto
Uvas: Shiraz(60%) Bonarda(40%)

Álcool: 13,5%
Preço: R$27,00


A bodega Callia situada ao norte de Mendoza, em San Juan. Ali encontrou o terroir ideal para seus vinhos, claramente se destacando o Shiraz da casa. Com vinhedos a mais de 600m de altitude.

Esse vinho é um corte de Shiraz com Bonarda, 30% da bebida passa por 3 meses em barricas de carvalho americana e francês. 

Na taça apresenta uma cor rubi com tons violáceos. No olfato é bem frutado com toque de especiarias doces. Na boca repete o olfato com destaque as frutas em calda, com bom volume, equilibrado e os taninos suaves. Bom final de boca, de boa persistência.

É um vinho agradável, fácil de se beber. Bom custo-beneficio.


 

 Visual
 Rubi com tons violetas
 Olfato
Frutas vermelhas e especiarias doces
 Gustativo
Frutado, equilibrado, taninos suaves e bom final de boca
 Harmonização
Harmonizei com Frango ao molho pardo.
Por Jonas Magalhães

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Viña Betola Tinto 2011

Vinícola: Bodegas Pio del Ramo
País: Espanha
Região: Jumilla
Tipo: Tinto
Uvas: Monastrell (60%), Syrah (25%) e Cabernet Sauvignon (15%)

Álcool: 14,5%
Preço: R$54,00



Um vinho espanhol, orgânico, que veio juntamente com Pio Ecológico 2010, comprado em um clube de vinhos. 
Diferentemente do seu companheiro, este é uma assemblage, que traz um corte de Monastrell; a Syrah e a Cabernet Sauvignon. 

Betola Tinto 2011 apresentou na taça uma cor rubi reflexivo. No olfato apresenta aromas tímidos de frutas vermelhas(maduras), terra moladas, folha seca e alguns aromas desconhecidos, que não consegui identificar. Na boca é áspero, um toque frutado, taninos firmes(ásperos) e com final de boca de média persistência. 

Me pareceu um vinho básico, correto, mais bem simples. Não vale os R$54,00 investidos.

Nota: 83/100

 

 Visual
Rubi intenso
 Olfato
Frutas maduras, terra molhadas e folhas secas
 Gustativo
Firme na boca, abstringete e média persitencia 
 Harmonização
Carne de porco
Por Jonas Magalhães

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

POGGIO CAPPONI CHIANTI RISERVA D.O.C.G 2009

Vinícola: Fattoria Poggio Capponi
País: Itália
Região: Toscana
Tipo: Tinto
Uvas: Sangiovese, Syrah e Colorino
Álcool: 13,5%

Preço: R$129,00

Quando se fala em Chianti e Toscana, temos referências de bons vinhos. Pois bem, nem sempre é assim. No Brasil, na última década, tivemos uma invasão de Chiantis de péssima qualidade, o que acabou assustando muitos apreciadores. No entanto, recentemente, o mercado e consumidores começam adquirir mais confiança, hoje temos mais opções de boa qualidade e com bom preço.

Aqui vamos escrever sobre o Chianti Riserva Poggio Capponi 2009, um vinho que passa por amadurecimento por 18 meses em barris de aço (70%) e barris de carvalho(30%).

Vamos ao vinho. Na taça apresenta um rubi com bordas grená. No olfato é bem frutado, com um legve toque amadeirado. Na boca se mostra com nuances de frutas vermelhas, equilibrado e com bom final de boca. Destaco a acidez viva, que o torna bem digestivo.

É um bom exemplar Chianti, sem chances de você errar. No Brasil, podemos dizer que para cada garrafa existe uma surpresa, nesta é garantida a qualidade. Importando pela Proseccoexpress.

Nota: 91/100

 Visual
 Rubi com bordas grená
 Olfato
 Frutado com toque amadeirado
 Gustativo
 Equilibrado, boa acidez e final de boca persistente
 Harmonização
 Massas com molhos de carne
 
Por Jonas Magalhães



sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Victoria Park Cabernet - Shiraz 2011

Vinícola: Victoria Park
País: Austrália
Região: Barossa Valley
Tipo: Tinto
Uva: Cabernet Sauvignon (91%) e Shiraz (9%)
Álcool: 13%
Preço: 46,00


A Austrália tem ganhado cada vez mais a atenção do amantes do vinho. Analisamos aqui um vinho que trás uma combinação comum na ilha, Cabernet com Shiraz. Só que este exemplar é o inverso da combinação tradicional, aonde geralmente a Shiraz é a uva predominante, neste vinho a Cabernet Sauvignon se faz presente com 91%. Nem o produtor, nem a importadora revelam qual o tempo exato de estagio em barricas, afirmam que é um breve tempo. 
O vinho se apresenta na taça com uma cor rubi bem forte e bordas violáceas. No olfato o senti um pouco fechado, com o tempo identifiquei aromas leves de frutas vermelhas( cereja) e especiarias. Na boca se mostrou com um corpo de médio a leve densidade, com taninos presentes e um fundo levemente frutado, equilibrado e um final de boca com média persistência.
É um vinho correto, só que sem grandes destaques. Não o achei um bom custo beneficio, na casa dos R$46,00, se pode encontrar vinhos melhores, inclusive australianos.

Nota: 83/100


Visual
 Rubi forte com bordas violeta 
Olfato
 Cereja e especiarias
Gustativo
 Equilibrado, corpo médio e leve frutado
Harmonização
 Costela, kafta e risoto parma
Por Jonas Magalhães

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Vinho EA Reserva 2011

Vinícola: Cartuxa
País: Portugal
Região: Alentejo
Tipo: Tinto
Uva: Aragonez, Alicante Bouschet e Syrah
Álcool: 14,5%
Preço: 32,00


Um vinho da renomada Adega Cartuxa, produtora do conhecido Pera Manca. EA é a linha de entrada da vinícola, aqui analisamos o exemplar Reserva. Muito encontrado em super mercados. Por indicação de amigo português, resolvi experimentar.
Na taça me apresentou poucas lágrimas e uma cor rubi forte com borda violácea. No olfato o álcool destoa um pouco, mais notei leve toque de especiarias, cereja e um fundo com baunilha. Na boca é fresco, com taninos firmes e uma boa persistência.
Um vinho agradável, com um preço honesto.

Nota: 84/100

 Visual
 Rubi forte com borda violácea
 Olfato
 Especiarias, cereja e baunilha
 Gustativo
 Fresco, com taninos firmes e uma boa persistência
 Harmonização
 Sopas e Bacalhau ao forno

Por Jonas Magalhães

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Primus Reserva 2007

Vinícola: Veramonte
País: Chile
Região: Colchágua
Tipo: Tinto
Uva: Assemblage
Álcool: 14,5%
Preço: 38,00


O Primus é o ícone da Viña Veramonte , Colchágua(Chile). É um vinho de corte(65% Cabernet Sauvignon, 20% Syrah, 8% Merlot e 7% Carmenere). Sem dúvida é um dos melhores custo benefícios que experimentei esse ano. Vendido a 38,00 reais, é um vinho bem complexo e com um potencial de evolução.


Na taça me apresentou uma cor rubi bem forte, com bordas meio alaranjadas, sinais de evolução. No olfato com inicio meio "preso", se abriu na taça com o passar do tempo, apresentando aromas terrosos, especiarias, frutado e chocolate. Na Boca é equilibrado, taninos firmes e acidez na medida, com boa persistência.

Sem dúvida é um vinho que vale a pena ter em sua adega e o preço é convidativo, pois no Brasil, vinhos com essa qualidade certamente passam de 70,00 reais.

Obs: O Primus 2007 foi o 11º vinho mais vendido pela internet em 2011, na maior rede de venda de vinhos on-line do Estado Unidos.

Nota: 89/100


 Visual
 Rubi forte e borda alaranjadas
 Olfato
 Especiarias, chocolate e frutas escuras
 Gustativo
 equilibrado, taninos intensos e bom final
 Harmonização
 Cordeiro

Por Jonas Magalhães

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Pulpit Rock Pinotage/Syrah 2011

Vinícola: Pulpit Rock Winery
País: África do Sul
Região: Swartland

Tipo: Tinto
Uva: 50% Pinotage e 50% Shiraz
Álcool: 14,5%

Preço: R$48,00

Um vinho típico. Pulpit Rock Pinotage/Syrah 2011 apresenta as qualidades e a excentricidade da Pinotage, aliada a toda potência e elegância da Syrah. É um exemplar que representa bem o "novo mundo", uma revelação de novos aromas e sabores. 
O vinho na taça expressa um visual rubi de tons claros e poucas lágrimas. No olfato me apresentou aromas tímidos e com pouca intensidade, presença de especiarias(cravo; açúcar mascavo) e um pouco de baunilha ao fundo. Na boca é equilibrado, leve e elegante, apresenta um paladar adocicado com toques de morango e pitanga. Bom retrogosto com alguma persistência.
É um bom vinho, representa bem a tipicidade sul-africana, que cada dia mais chama a atenção dos amantes do vinho. Também achei que possui um custo-beneficio honesto, gastei R$48,00 em vinho agradável e gostoso de beber.

Nota: 87/100


 Visual
 Rubi com tons claros.
 Olfato
 Especiarias(cravo e açúcar mascavo) e baunilha.
 Gustativo
 Equilibrado, macio, frutas vermelhas e um bom final.
 Harmonização
 Refeições condimentadas.

Por Jonas Magalhães


sexta-feira, 5 de julho de 2013

Primeira Estrada Syrah 2010

Vinícola: Estrada Real
País: Brasil
Região: Minas Gerais
Tipo: Tinto
Uva: Syrah
Álcool: 13,5%
Preço: R$59,90





Esperava a muito tempo para analisar o vinho de Minas Gerais. Tão famosa por produzir as melhoras cachaças brasileiras, as montanhas de Minas agora se aventuram no mundo da viticultura. 
Já abordamos a produção de vinho em Minas Gerais aqui no blog (Vinhos em Minas), hoje analisaremos a estrela principal desse projeto: o vinho Primeira Estrada 2010, da casta Syrah. 

O projeto apresenta uma especificidade: a colheita é feita na época seca do inverno, nos meses de julho e agosto. O normal no resto do mundo é colher no verão.Destacamos que o vinho passou por 12 meses em barricas de carvalho e mais um ano envelhecendo na garrafa.

Vamos ao vinho: na taça é bem escuro, um rubi denso, com lágrimas finas e lentas. No olfato é volumoso, apresenta aromas doces como caramelo, açúcar mascavo, baunilha e um fundo de frutas vermelhas. Na boca tem um corpo médio, equilibrado e sedoso, tem um leve toque de tostado e café, além de final de média persistência. Bem gostoso.

Está aprovado! Um bom vinho, acho que tem tudo para evoluir. Os vinhedos são novos e certamente trarão maior evolução com o passar do tempo.
Hoje o preço ainda é um pouco salgado, pois normalmente é vendido a R$75,00. Comprei em promoção por R$59,00 e de certo, podemos  encontrar vinhos melhores nessa faixa de preço, entretanto, vale a pena experimentar, até pela curiosidade de um novo terroir.

Nota 88/100


 Visual
 Rubi denso, lágrimas finas e lentas
 Olfato
 Volumoso, caramelo, açúcar mascavo e baunilha.
 Gustativo
 Corpo médio, equilibrado, sedoso, tostado, café.
 Harmonização
 Pizza e massas


Por Jonas Magalhães